Muitas vezes não está ao nosso alcance evitar o mal que nos acomete,
nem sustentar o bem que nos fortalece. 

Mas, o que podemos então? Podemos não só não fazer um uso piedoso das nossas dores, ou um uso complacente dos nossos prazeres, mas, sobretudo encontrar a necessidade de cada acontecimento de nossa vida que inocenta o devir, porque a necessidade do acontecimento é razão de uma evolução criadora da vida, uma potência criadora.