No dia de hoje, o último dia deste ano nós nos permitimos a fazer votos, lançar desejos e fazer votos.

Desejos de futuro, como memórias de futuro…

Assim a gente se liberta do passado que se ficássemos presos, estaríamos presos a fantasmas.

E, ao contrário, podemos ao fazer das marcas, fluxos, fazer disso também fonte de lançamento para um futuro que se aproxima e no qual permanecemos através de uma memória de vontade, memória do desejo, de uma memória do futuro.

Com memória de futuro e esquecimento ativo nós podemos criar um novo tempo.

É preciso atitude, é preciso lançar-se na criação de si mesmo, nessa grande aventura.