Dicas semanais de filmes: O Criado (The Servant), do diretor Joseph Losey

//Dicas semanais de filmes: O Criado (The Servant), do diretor Joseph Losey

Dicas semanais de filmes: O Criado (The Servant), do diretor Joseph Losey

Hoje quero indicar o filme: 
O Criado (The Servant), do diretor Joseph Losey, 1963, 112 minutos

O Criado é um filme que expõe os movimentos complexos de um tecido afetivo próprio às relações de poder e seus diversos tempos desdobrados que as constituem. Todo poder age por atos implícitos micropolíticos de desqualificação e separação, para operar ao mesmo tempo no nível macropolítico através da sedução, produção de ligações de empoderamento (dependência velada) e compensação pelo reconhecimento gerador de consciência. Todo poder se exerce com a máscara do servidor que pressupõe a cumplicidade do servente e do servido. Losey desdobra magistralmente os movimentos (velocidades) e investimentos (direções intensivas) do desejo implicados numa relação entre senhor e servidor. Mostra como ninguém os mecanismos inconscientes de inversão das relações de comando e de palavra de ordem; relações não ditas, inconfessáveis, que são tecidas imperceptivelmente numa atmosfera de representação das relações de classe, posições, papéis competentes e funções sociais, sob o signo da vontade de dominação. Em tais relações de desejo, inclusive conjugais, homo ou heteroeróticas, o que quer realmente o desejo senão o controle e o comando? Mas se assim é, quem realmente comanda o desejo sob a máscara do livre arbítrio? Quem em nós e fora de nós? Quem e o que realmente são comandados sob a máscara ou o rosto da obediência? Sobre quais misérias afetivas o poder se apoia e quais paixões tristes ele estimula e investe? E como essas desqualificações e impotências são produzidas transversalmente em todas as camadas sociais e se multiplicam por contágio, sob as relações aparentemente contraditórias e dicotômicas da luta das classes sociais? A quem serve o servente, a quem serve o senhor servido? De que estofos são feitos nossos desejos, crenças, sentidos e valores? De que natureza é a alegria que nos preenche e que move nosso desejo se desdobrando no amor que nos seduz e captura?

By | 2018-03-12T00:37:33+00:00 março 12th, 2018|Blog|0 Comments

About the Author:

Leave A Comment

Assine minha lista!